7 de agosto de 2017

Que comecem os jogos


Não agarrei na tesoura tão confiante como da última vez. As minhas mãos tremiam enquanto segurava no objeto cortante que, lentamente, desenhava um novo corte no meu cabelo liso castanho. Uma franja lateral fez-me viajar para longe, mas não me impediu de me deixar surpreendida comigo mesma. As minhas superstições são vagas, mas é interessante como um mero bolinho da sorte nos deixa a pensar. "Não acredites em tudo o que leias" é, realmente, algo que faz sentido, mas pergunto-me se isso foi dito para me proteger, ou se é apenas mais um jogo que o acaso criou para deixar a minha cabeça tão confusa como o lavatório da casa de banho, sujo com pedaços de cabelo por toda a parte.
O lavatório foi limpo.
A cabeça?
Let the games begin.

4 de agosto de 2017

O drama de encontrar conhecidos na rua

Uma das minhas maiores irritações é encontrar conhecidos na rua. Odeio, odeio, odeio. Não há assim nenhum motivo em especial, não é que eu tenha algo contra os meus conhecidos, mas como sei que este ódio é algo comum, penso que uma parte de vocês me compreende. Já a minha mãe, ou mesmo o meu pai, encontram alguém na rua, ficam a falar durante horas, e a saída que supostamente deveria durar no máximo 20 minutos, acaba por demorar séculooooos. Nem vale a pena referir os temas de conversa, geralmente começam a falar da pessoa X, e terminam no irmão do vizinho do primo de alguém cujo nome vocês nunca ouviram na vossa vida.

Ora, eu cá arranjei uma estratégia para não encontrar os queridos conhecidos que quero evitar encontrar. Basta ir sempre bem arranjada para todo o lado. Isto faz uma confusão tremenda à minha mãe, acabo sempre por ouvir discursos do género "Athena, porque é que estás toda bem vestida e penteada para ir ao supermercado? E para que é que foste pôr perfume?" Querida mãe, podes não saber, mas o perfume cheira a repelente anti gente chata que dispenso encontrar. Borrifo-a ligeiramente com o dito perfume, e lá vamos nós ao supermercado. E não demoramos mais de quinze minutos. Não podia estar mais feliz! :))

P.S.: Caso não consigam arranjar nenhum perfume do género, podem sempre optar por uma peruca, chapéu e óculos de sol.

2 de agosto de 2017

Séries e Linkin Park

"Ooh baby baby it's a wild world
It's hard to get by just upon a smile"
- Skins, 1x09

Skins e Friends têm sido, sem dúvida alguma, duas séries com a capacidade de me manter presa no meu canto do quarto, a devorar episódios atrás de episódios. Passar de cenas depressivas a outras cheias de gargalhadas está a tornar-se um vício. É um pouco esquisito identificar-me com as personagens que menos têm a ver comigo. Mas é apenas mais um refúgio que consegui encontrar...




A morte de Chester Bennington fez com que, em circunstâncias um pouco infelizes, voltasse a respirar a essência das músicas dos Linkin Park. Fico a pensar em como o meu gosto musical mudou, e como dou graças por isso ahaha. Graças a certas ocasiões da vida, juntamente com uns quantos acasos curiosos, acabei por criar um gosto musical que nunca ninguém imaginou que fosse possível, vindo da minha parte. É tão bom mudar! Mas melhor ainda é saber que, por mais que mude, nunca deixarei de me identificar com a Numb.

Um desabafo está para vir, e estou prestes a soltar algumas fotografias da minha preciosa gaiola (vulgo editor de fotografias VSCO CAM).

«Can't you see that you're smothering me
Holding too tightly
Afraid to lose control
'Cause everything that you thought I would be
Has fallen apart right in front of you
Every step that I take is another mistake to you
And every second I waste is more than I can take»

1 de agosto de 2017

Pequenos Devaneios

A cor do bronzeado fica-me bem. Agosto é o último mês completo de férias de verão, e precisa de ser aproveitado. Munida de uma lista de objetivos e um bilhete de expresso, parto amanhã em busca de alguma paz de espírito. É um cliché, porém é necessário. Em breve virá um novo ano letivo repleto de trabalho, e eu não posso deixar que todas as falhas que cometi ao longo do 10º ano se repitam.

Tenho alguma motivação guardada num pequeno pote. Pretendo transportá-lo para onde quer que vá. Alguns números dão comigo em doida, mas eu consigo viver com esse peso. Embora pudesse sempre ser melhor. Escrever aqui com mais frequência será uma realidade que terei que enfrentar este mês. Depois disso, quem sabe... É tudo tão incerto...

Lista de coisas para levar nesta pequena viagem:
- guitarra; ✓
- fones de ouvido; ✓
- lápis de cor e bloco de desenho; ✓
- o tal pote da motivação... ✓

A minha avó vai gostar da minha companhia, tal como eu irei gostar da dela. Sempre gostei, e isso nunca irá mudar. Preciso de estar sozinha com ela por uns tempos, algures, nos arredores da Amadora. Estive duas semanas no Algarve, adoraria mostrar-vos umas fotografias mesmo queridas que tirei por lá. Já somos 101 mermaids a nadar por aqui à dois anos e quase três meses. Vocês são uns amores, a sério! Obrigada por nunca me terem abandonado por muito longas que tenham sido as esperas.

Querida C: Tenho saudades de falar contigo. Deves estar ocupada, mas quando puderes manda mensagem. Espero que ainda leias o meu blogue.
Querido D: Nunca irás ler isto, mas sê gentil e sai da minha cabeça. Pára de invadir a minha mente com momentos imaginários de nós os dois. Não me tortures mais, por favor.
Querida M: Estares a ler isto é tão certo como eu estar a escrever estas palavras. "If we ever stop talking send me a song", por vezes as palavras dos outros dizem mais do que as nossas.

P.S: Alguém sabe de algum site/canal com dicas para aprender a pintar com aguarelas? A parte do coração conectado à minha veia artística começou a palpitar mais depressa. Preciso de pintar...

25 de junho de 2017

Somos todos uma linda flor


FLORES. Desde que me entendo por gente que adoro flores. Penso que é das obras de arte mais bonitas que a natureza pode ter criado. Tal era a panca que eu tinha com as flores, que a inocente e pequenina Athena, que devia ter uns três anos na altura, queria ser florista. Ahahaha, sim, era a minha profissão de sonho, e mantive isso na cabeça durante muitos anos. Uma das coisas mais engraçadas nas flores são o facto de, apesar de terem todas diferentes formas, tamanhos, cores e feitios, são todas absolutamente lindas. 

E quando me apercebo disso, penso para comigo "seria tão bom se todos tivessem a mesma perspetiva em relação ao ser humano". No entanto, num mundo cheio de cravos, tulipas e girassóis, a sociedade continua a eleger apenas as rosas. Fico contente por cada vez haver mais pessoas dispostas a identificar os diferentes tipos de flores no meio da multidão e a afugentá-las das ervas daninhas, ajudando a mostrar ao mundo a sua verdadeira essência. The whole world is a garden, so let's fill it with flowers.

20 de junho de 2017

Summer Jam


Como definir a música que mais me tem viciado? Tem o espírito do verão, mas um pouco da sua essência faz-me lembrar o inverno. Tem o poder de fazer a nostalgia explodir no ar, como se fosse fogo-de-artifício, e faz-me querer reviver os verões já passados. No entanto, ao mesmo tempo, dá-me motivação suficiente para aproveitar cada minuto deste verão que começou à pouco. Com o seu toque à anos 80, enche-me de alegria e vontade de dançar pela noite adentro. Tenho todo o gosto em apresentar-vos "Endless Summer Nights", de Richard Marx. Escutem, que vale a pena. Viciem-se, que faz-vos sentir melhores.


«And I remember how you loved me
Time was all we had until the day we said goodbye
I remember every moment of those endless summer nights»