19/04/2017

Sixteen Springs

Hey hey hey! A desaparecida encontra-se de regresso à escola, após uns dias muito bem passados na Serra da Estrela, um destino já habitual para esta família na altura da Páscoa. Ninguém tem a noção de como estes dias me souberam pela vida. Longe dos ares que eu estou cansada de respirar. Por vezes sabe bem fugir da rotina, e embora alguns pequenos pormenores acabem sempre por nos perseguir, voltamos muitas vezes com a cabeça mais fresca.

19 de abril de 2001. É a data que consta na minha certidão de nascimento.
Isso significa que hoje é o meu aniversário.
16 primaveras. Dezasseis doces anos.
Não vou começar com um texto nostálgico do género "Parece que foi ontem que...", acreditem, é desnecessário. No entanto, sou perfeitamente capaz de olhar para trás e de perceber o quanto eu mudei. O meu estilo, os meus gostos, as minhas ideias. As minhas atitudes (ou a falta delas), mas especialmente, a minha perspetiva sobre o mundo que nos rodeia.

Talvez este dia não esteja a ser o melhor. Andava tudo a correr tão bem que eu acabei por criar demasiadas expetativas, e como sempre, acabei por me desapontar. E tal como nos outros anos, sinto que é altura de uma mudança. Posso mudar de ninho muitas vezes, mas nada irá mudar se eu continuar a bater as asas da mesma maneira. Só espero que os próximos dias sejam melhores.
 
I'll be back soon. Love you all to Saturn and back.

25/03/2017

Homesick for the home I've never had

Encontro-me no mesmo lugar há dias, anos.
Mas nunca me senti tão perdida.
Em todos os aspetos.

Desporto dá saúde e faz crescer, e à conta disso desloquei a rótula. Passo imenso tempo deitada na cama, com a perna esticada. Como muito pouco com medo de engordar, mas como demasiado para não chorar. Passar o dia todo na mesma divisão da casa faz-nos pensar nas coisas mais absurdas, criando problemas inexistentes, ilusões que precisam de ser desfeitas. Acabamos por perceber que estamos sozinhas nesta corrida. E, ao mesmo tempo, acabamos por perceber que escrevemos os sentimentos de uma única pessoa no plural, na esperança de afugentar a nossa solidão.

Podem não acreditar, mas eu inicio a sessão desta conta muitas vezes. Escrevo e reescrevo os meus pensamentos em rascunhos que acabam no lixo. Sinto que nunca consigo encontrar as palavras certas. Ou que mais ninguém iria entender as minhas paranóias esquisitas e inseguranças fúteis. Lembro-me dos tempos em que eu passava aqui horas a desabafar e a escrever sobre as pequenas coisas que me passavam pela cabeça. Saturno era o meu refúgio, mas eu fugi à muito tempo.
A noite será longa. Há muitas coisas que precisam de ser mudadas, e mudanças precisam de ser planeadas. Enquanto a mudança radical não puder acontecer, tenho de mudar umas pequenas coisas ao meu redor.


Os rascunhos serão apagados. Preciso de espaço para novas ideias. E espero poder vir aqui mais vezes. Não posso prometer nada, mas talvez seja seguro dizer que a sereia planeia regressar ao seu planeta.

01/03/2017

1 ano sem refrigerantes

Voltar a publicar um post depois de tanto tempo não é de todo fácil. Este último mês passou enquanto o diabo esfrega um olho. Não sei o que escrever, para ser honesta. Mas queria dizer, OLÁ, EU NÃO MORRI, ESTÁ BEM?! Aqui estou eu, a deambular por Saturno novamente, planeta que se encontra de momento vazio. 

Hoje, dia um de março, faz um ano que não bebo refrigerantes - tecnicamente foi a 29 de fevereiro que deixei o hábito, mas como esse dia só decide aparecer uma vez a cada 4 anos, esta é a data assumida.

Enfim, confesso que deixar de beber refrigerantes foi mais fácil do que eu estava à espera. Não houve um motivo em especial, simplesmente deu-me na cabeça "ah, olha, a partir de hoje vou deixar de beber refrigerantes" e assim foi. No entanto, na altura não fazia a mínima ideia de que se passaria um ano desde essa espécie de promessa. 


Nunca tive de fazer nenhum tipo de sacrifício, ao contrário do que aconteceu quando tentei deixar de comer doces (essa missão foi um autêntico fail ahaha), simplesmente passei a beber mais água, e apesar de nunca ter notado grandes mudanças no meu organismo, sei que foi a decisão mais acertada a tomar, porque é do conhecimento geral que bebidas como esse tipo de sumos, coca-colas e por aí além têm grandes quantidades de açúcar e só fazem mal. Apesar de ter a noção de que ficaria mais feliz comigo mesma se conseguisse de uma vez por todas tornar-me uma pessoa saudável e parar de andar a comer porcarias pelos cantos da casa, sinto-me orgulhosa deste pequeno feito. Por isso, caso tenham alguma meta que queiram alcançar para se sentirem melhores com vocês mesmas, não desistam!! I love you all to Saturn and back. ♥

08/01/2017

O Jardim dos Corações Partidos

Um dos meus melhores conselhos é: quando não se conseguirem expressar pelas vossas próprias palavras, procurem conforto nas palavras dos outros.
"Aquele jardim de rosas negras como a noite
com pétalas banhadas por mágoas e açoites
onde sorrisos são lendas
jazem corações partidos, lembra?

Um lugar sem cores ou traços
sem desejos ou anseios
pessoas sem faces e identidades
perderam o seu rumo por falta da verdade
por falta da esperança, por abandono e demência
por medo da insistência, por abstinência...viver sem estar vivo, viver por existir, mas não por sentir...
Eis o jardim dos corações partidos, enfim.
Onde os grandes amores, não passam de grandes temores."

Escrito por: Dalton Menezes

03/01/2017

i wanna runaway with you


Há precisamente um ano atrás, a propósito do início do 2º período escolar, escrevi aqui no blogue o seguinte: "Procura-se companheira que esteja disposta a abandonar a escola comigo e levar uma vida pacata viajando sem rumo nem destino. Preparados para terem uma thug life? Os interessados deverão contactar-me." Um ano mais tarde, o anúncio mantém-se de pé, pois se há coisa para a qual eu não tenho pachorra é para levantar cedo quando está um frio do caraças lá fora. Mas se vos dissesse que estou 100% triste para regressar à escola, estaria a mentir. Há pessoas que quero voltar a ver, pessoas que me fazem rir. Passar os dias de pijama em casa, por muito confortável que seja, acaba por se tornar aborrecido. Finalmente posso sentir que gosto da escola, e vocês não fazem ideia do quão gratificante isso é.

Mas, se não for para ir para a escola, que seja para passear por aí, com alguma de vocês. Aguardo as vossas respostas, caso contrário terei de ficar por aqui e virar nerd! I love you all to Saturn and back. ♥

01/01/2017

Page 1 of 365


Boa tarde minhas mermaids. Será que alguém está a ler isto? Desculpem a pouca originalidade do título. Nem imaginam as saudades que eu tenho do ambiente da blogosfera. Após tanto tempo sem vir aqui, sinto-me uma perfeita forasteira que andou a vagabundear pelas ruas do universo à procura de algo que não encontrou, e agora que está de volta a casa, reparou que muita coisa mudou. 

Tenho a perfeita noção de que ganhei o prémio de "Pior Blogger de 2016", e a culpa é toda minha, pois após tantas promessas sobre posts novos e regressos definitivos, acabei por não o fazer. Posso ter colocado as culpas em cima da escola, da falta de tempo, mas aqui para nós, estes não foram os únicos motivos, apesar de terem contribuído fortemente para o meu afastamento da blogosfera. A falta de motivação foi, sem sombra de dúvidas, algo que se apoderou de mim. Durante imenso tempo andei por aí sem saber o que fazer comigo. Um coração partido, demasiadas preocupações e uma quantidade exagerada de stress escolar não me deixavam dormir à noite. Agora que essa situação já está mais ultrapassada - embora ainda não esteja a 100% - vejo que foi estúpido deixar que coisas tão pequenas e fúteis me tivessem deixado no estado em que estava.

Para 2017, não irei definir metas a longo prazo. Embora tenha realizado uma grande parte das metas de 2016, decidi não criar objetivos para ir cumprindo ao longo do ano. Ao invés disso, penso que mais vale optar por pequenas metas que consegues realizar de um dia para o outro, porque parecendo ou não, são essas coisas que no fim do dias nos fazem felizes.

Juro que não consigo entender porque é que toda a gente andou por aí a dizer que 2016 tinha sido um ano horrível. Apesar de tudo, 2016 foi um dos melhores anos que já vivi. Aconteceram-me coisas fantástica, ocorreram mudanças que também acabaram por me mudar pela positiva, conheci pessoas maravilhosas e tive experiências incríveis. Agora é só esperar para ver o que 2017 tem para oferecer. Espero que este ano nos surpreenda a todas pela positiva. Não criem demasiadas expetativas, deem muitas gargalhadas e sejam felizes sem esperar demasiado dos outros. 

Desejo a todas vocês um excelente ano novo minhas mermaids!